Foco e disciplina. Certamente, duas palavras que você cansou de ouvir, ao longo da vida. Ou deveria, pelo menos.

Afinal de contas, sejamos honestos, elas valem para muita coisa, certo?

Lembre-se, por exemplo, de quando você estava na escola (ou, se ainda estiver, esteja atento sempre). Nos momentos importantes, como aulas essenciais ou períodos de prova, os professores não pediam foco e disciplina o tempo todo?

Ou, então, se você for um atleta, não se trata de uma duplinha frequentemente presente no discurso do seu treinador?

Por fim, pense na carreira de um empresário. Foco e disciplina é tudo o que ele mais quer dos funcionários, correto?

Mas existe um dito popular que talvez se encaixe aqui, na visão de muitas pessoas. Quando se fala em ter foco e disciplina para “vencer na vida” e ter sucesso, digamos assim, falar é fácil.

Como aplicar isso, no dia a dia?

Que gatilhos podem ser ativados?

Que tipos de distrações sabotam aquele seu desejo e aquela necessidade de, finalmente, colocar foco e disciplina nas coisas que faz?

A verdade mais pura nisso tudo é que, inegavelmente, depende única e exclusivamente de você. Mas dá para traçar algumas linhas e mostrar um panorama geral que ajude a entender um pouco a respeito disso…

“Foque nos sinais que recebe, não nos ruídos. Não perca tempo com coisas que não vão, efetivamente, fazer as coisas melhorarem”
(Elon Musk, CEO da Tesla e da SpaceX)

 

Foco e disciplina x distrações

Ainda abusando de provérbios, existe um russo que diz: “Se você perseguir dois coelhos, ambos vão escapar”.

O que essa frase diz para você?

Para mim, o conceito está bem claro: é preciso ter foco. Se você vir dois coelhos correndo, pode até ser que consiga pegar os dois. Mas sejamos honestos: a chance de os dois fugirem e você ficar de mãos abanando é grande, certo?

Por isso, escolha um dos dois. E foque nele. Vá atrás dele. A sua chance de atingir esse objetivo vai aumentar consideravelmente.

Evidentemente, em algum momento, você vai se encontrar naquela situação de ter de lidar com duas coisas importantes ao mesmo tempo. Faz parte. Mas, mesmo assim, para que tudo seja resolvido da melhor maneira, é essencial focar em uma decisão de cada vez. 

“Não temos de ser mais espertos do que os outros. Temos de ser mais disciplinados do que os outros”
(Warren Buffet, investidor e filantropo americano, um dos homens mais ricos do mundo, com fortuna avaliada em US$ 86,8 bilhões, segundo a “Forbes”)

Quando se fala de foco e disciplina, o que mais joga contra é a tal distração. Isso porque muitas coisas no seu dia a dia podem tirar a sua concentração de uma tarefa.

 

Tipos de distrações que comprometem foco e disciplina

Segundo o psicólogo americano Daniel Goleman, autor do livro “Foco”, visto por muitos como uma bíblia do assunto, existem dois tipos de distrações:

  • Distração sensorial: é quando você está tentando se concentrar e o barulho ambiente, seja ele qual for, impede que se faça isso. Algumas pessoas sentem isso em uma sala de aula com muita bagunça; para outras, basta o tique-taque de um relógio, trancado em um aposento.
  • Distração emocional: é uma preocupação. Quando isso acontece, o cérebro entende a situação como uma ameaça, e fica tentando captar atenção e raciocínio para que se pense no problema, com o objetivo de resolvê-lo. Justamente por se tratar de uma ameaça, é possível que a pessoa fique até mesmo mais impaciente e agressiva, já que isso é uma resposta natural do corpo humano.

Quando se está em um desses estados, perde-se a capacidade de aprender, se adaptar e até mesmo raciocinar claramente.

“Não é a conversa das pessoas ao nosso redor que tem mais poder de nos distrair, mas, sim, a conversa da nossa própria mente. A concentração absoluta exige que as vozes se calem”
(Daniel Goleman, em trecho do livro “Foco”)

 

7 a 14 minutos

É o tempo que o cérebro humano leva, em média, para restabelecer o foco e a concentração em uma atividade depois de uma interrupção brusca de raciocínio, segundo mostrou uma pesquisa publicada pela revista Exame.

 

Como, então, manter foco e disciplina?

Para responder a essa pergunta, vale fazer um paralelo com o próprio corpo humano.

Quando você precisa evoluir em algum aspecto, o que faz?

Você treina. Repete movimentos. Condiciona um músculo, por exemplo, a estar acostumado a uma determinada carga.

Com o cérebro, não é diferente. 

Quer um exemplo? Quando eu era atleta, durante muito tempo, tive de acordar muito cedo. Antes mesmo de o dia clarear, principalmente, quando estava em Michigan, nos Estados Unidos, no inverno.

É claro que não era uma coisa que eu gostava de fazer. Mas eu sabia da importância. Sabia o quanto aquilo era essencial. Então, iniciei um ciclo de condicionamento mental para aquilo.

Dessa maneira, e sem perder muito tempo, fui acionando gatilhos para mostrar para mim mesmo (e, consequentemente, para meu cérebro) o quanto aquilo era essencial para que eu tivesse sucesso. Quem leu meu primeiro livro, “Lições da Água”, sabe como eu pensava: se eu escolhesse ficar dormindo na minha cama quente, certamente, ao mesmo tempo, um adversário meu estaria na piscina, treinando. E isso posteriormente poderia definir quem levaria uma medalha ou não.

O conceito de Goleman é exatamente esse. A atenção cerebral é como se fosse um músculo. E o que acontece quando você não usa, não exercita esse músculo? Ele atrofia.

Dessa maneira, quando estiver estafado, cansado mentalmente, com dificuldade de manter foco e disciplina, opte por uma medida tão simples quanto eficiente: descanse.

62%

Das pessoas ouvidas por um instituto de saúde dos Estados Unidos se declararam muito ou um pouco estressadas em dias nos quais, em tese, deveriam descansar. A pesquisa foi publicada pela Forbes.

 

Autocontrole relacionado ao sacrifício

“A mudança pode não ser rápida, além de nem sempre ser fácil. Mas, com tempo e esforço, quase qualquer hábito pode ser reformado”
(Charles Duhigg, autor do livro “O Poder do Hábito”)

 

Muitas vezes, nos deparamos com situações difíceis no dia a dia. “Estou cansado, indisposto, dolorido, choveu hoje, está frio, blá-blá-blá, mas isso, mas aquilo…” 

As desculpas para não dar o melhor naquele dia difícil são as mais variadas possíveis. Certamente, se isso ainda não aconteceu com você (seja honesto, hem!), alguma amiga ou amigo que senta ao seu lado já usou esse discurso.

Mas, levando essa situação para a rotina que eu tinha na natação, quantas vezes já treinei em uma piscina fria ou com condições não adequadas? Muitas. Muitas mesmo!

Mas nem por isso eu desisti. 

Quando existe um problema a ser enfrentado, a solução pode ser mais simples do que se imagina. Que tal concentrar as forças para ver o lado positivo? Ou, então, que tal tirar algo de bom da situação? Seja isso um ensinamento, uma lição, uma ideia… 

Voltando ao exemplo da piscina fria… Existe sempre a opção de sentar, chorar e não fazer nada. Mas o que você acha de fazer alguma coisa? Dá para mudar o treino, incluir uma etapa física, como musculação, juntamente com a parte nadada…

E veja o copo com a metade cheia, não vazia. A piscina estava fria? Menos mau! Afinal de contas, ela poderia estar gelada, o que seria muito pior.

Resumindo: faça alguma coisa para, realmente, ter algum tipo de resultado naquele dia, que era para ter sido ruim, mas, no fim, pôde ser transformado em algo bom. 

No dia a dia, certamente, problemas vão aparecer. Mas é a atitude para superar os desafios que acaba fazendo a diferença e separa o joio do trigo. 

Leia também: Foco na sua Olimpíada. Decida o que você quer e mãos à obra

 

Esteja atento a algumas coisas quando se pensa em foco e disciplina

Enfim, você já entendeu um pouco como dá para agir na tentativa de manter foco e disciplina no dia a dia e nas coisas que se faz.

Viu, até, que dá para treinar o cérebro para isso. Afinal de contas, ele precisa ser condicionado a entender situações e tomar decisões.

Mas alguns pontos, especificamente, valem ser ressaltados.

Um artigo no site da “Entrepreneur”, revista americana sobre empreendedorismo  publicada pela primeira vez em 1977, deu dicas muito bacanas para se dominar completamente as ações que estão ao seu alcance.

Nada mais é do que literalmente ensinar como se pode ter foco e disciplina na vida, aplicando nos aspectos pessoal e profissional.

A matéria sugere o seguinte:

  1. Conheça as suas fraquezas: isso é essencial para identificar erros e saber onde melhorar. 
  2. Livre-se das tentações: afinal de contas, o que é mais gostoso, ficar na cama quentinha assistindo a algum filme bacana ou levantar e ir caminhar, correr, nadar, jogar tênis ou algo similar? 
  3. Trace planos e defina uma estratégia para correr atrás deles: e isso passa, basicamente, por organização e ação. Não basta apenas pensar que é necessário melhorar. Vá atrás disso! Dê o primeiro passo! Saia da inércia! 
  4. Construa seu foco e disciplina: como dito, é preciso treino, muito treino, para otimizar isso na vida. Acredite: não é algo que nasce com você. 
  5. Crie novos hábitos. E simples: não adianta colocar metas difíceis demais de se atingir – não inicialmente, pelo menos. Ou seja, se a ideia é perder peso, não dá para achar que dez quilos vão embora em uma semana. Senão, a coisa acaba saindo pela culatra e vai acabar te desmotivando.
  6. Mude a sua percepção sobre a força de vontade: aqui, é simples… Se você acreditar que não pode dar mais do que 20 passos, por exemplo, não vai dar. É hora de quebrar essa barreira e, para isso, o início tem de ser na sua cabeça. Confie que dá para fazer mais, e você fará. Se o primeiro bloqueio for mental e que te limite, a chance de ficar preso no mesmo lugar é grande. 
  7. Tenha um plano B: okey, muitas vezes, aquilo que você idealizou inicialmente não vai funcionar. Mas nem por isso as coisas têm de desandar. Se a ideia era começar o dia de maneira saudável, praticando algum esporte, mas não foi possível, que tal tentar jogar essa atividade para a noite? Talvez, seja viável. 
  8. Crie recompensas para você mesmo: não é fácil atingir metas e objetivos, certo? Por isso, quando conseguir isso, curta a conquista. Dê-se recompensas, sejam elas quais forem. Só não se sabote, claro. Não é legal comer uma pizza inteira sozinho depois de conseguir perder alguns quilos. Senão, você vai acabar recuando algumas casas no tabuleiro do seu sucesso. Lembre-se: foco e disciplina. 
  9. Perdoe-se e siga em frente: da mesma maneira, você pode errar – fatalmente, vai errar! É algo normal, já que todos somos seres humanos. Mas, quando isso acontecer, não deixe que te atinja por muito tempo. Citando a música da Beth Carvalho: “Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!” 
  10.  E sobretudo… COMA DE MANEIRA SAUDÁVEL: o ditado “mente sã, corpo são” funciona de trás para frente, viu! Se o corpo estiver são, a mente estará sã. Comer bem é tão importante quanto praticar esportes. Deixa as pessoas mais dispostas, com menos problemas de saúde, diminui a quantidade de remédios que se toma. Se não souber como fazer isso da maneira correta, procure a ajuda de um profissional.

 

Foco e disciplina: como era para mim

Por fim, mas não menos importante, um exemplo curioso do que funcionava para mim, na época em que era atleta de alto rendimento.

A rotina, como se sabe, é desgastante e de muita dedicação. Além disso, parece impossível não abrir mão de algumas coisas que, naquele momento, talvez fossem mais prazerosas de se fazer.

Mas, para lidar com o dia a dia, acabou sendo importante demais criar uma espécie de método que funcionasse bem para mim. Se aquilo seria a fórmula do sucesso para outros nadadores, mesmo que eles tivessem o mesmo objetivo que eu, não se sabe. Para mim, no entanto, foi bom.

Leia também: Como os sonhos podem ajudar no comprometimento

Dá para entender se eu simplesmente escrever aqui a seguinte sequência:

Acorda, come, treina, come, espera, come, descansa, come, treina, come, espera, come e dorme.

Entendeu alguma coisa?

Não?

Vá lá. Leia de novo, com calma. Pense que se trata de uma sequência de ações que eram necessárias para que o meu dia a dia funcionasse bem.

Fez sentido, agora?

As coisas essenciais para mim, sobretudo, eram:

  • Dormir bem
  • Boa alimentação
  • Fazer bons treinos
  • Entender os momentos em que uma etapa do dia acabava e outra começava
  • Boa recuperação (física e mental)

 

“A chave para a vitória é criar as rotinas certas”
(Charles Duhigg, autor do livro “O Poder do Hábito”)

 

A entrega da minha rotina era essa e, acima de tudo, eu precisava de foco e disciplina. Muito foco e disciplina. E, primordialmente, um pouco ainda mais de… Foco e disciplina.

Dia após dia, acorda, come, treina, come, espera…

 

Siga-me nas redes sociais:

Instagram: @gustavo.borges

Facebook: https://www.facebook.com/gustavoborgesoficial

YouTube: https://www.youtube.com/user/gusborges72

Twitter: @gusborges

LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/gustavo-borges-05457834/